julho 24, 2017

[Livros] Até Mais, E Obrigado Pelos Peixes! - Douglas Adams (O Guia do Mochileiro das Galáxias #4)

Título Original: So Long, And Thanks For All The Fish
Autor: Douglas Adams
Editora: Arqueiro
Páginas: 221
Gênero: Ficção Científica
País: Inglaterra
ISBN: 9788599296974
Classificação★★★★☆
_______________

Quarto volume de O Guia do Mochileiro das Galáxias, "Até Mais, e Obrigado Pelos Peixes" é o mais fraco da série, mas ainda assim preserva o humor ácido de Douglas Adams e, sem dúvidas, sua genialidade. Suas metáforas sempre brilhantes e a ironia com que descrevia tão bem a raça humana estão eternizados em mais um clássico contemporâneo do autor. Se, hipoteticamente, houvesse um sentido para a vida, o Universo e tudo mais, a única pessoa que saberia seria Adams.

Continuando a saga de Arthur Dent, um terráqueo que sobreviveu a destruição da Terra e viajou por inúmeras galáxias. O protagonista descobre que houve um engano e o planeta não foi destruído. Ao retornar a sua vida comum, ele descobre que não é mais o mesmo. Afinal, passar anos vagando pelo espaço mudaria qualquer um. 

A complexidade da física e as noções temporais se mesclam à narrativa de Adams, que outra vez nos deixa perplexos com tamanha inteligência. Todos os acontecimentos dos livros anteriores são retomados e a aparente falta de sentido subitamente faz todo o sentido. 

Em um tom de comédia romântica, o "Até Mais..." é o livro menos popular da trilogia de cinco volumes e foca no romance entre Arthur e a garota por quem ele se apaixona. Essa mesma garota, já conhecida dos leitores de O Guia do Mochileiro das Galáxias, teve um papel importante para o começo da história e compreendeu o que a humanidade tem feito errado durante todo esse tempo. Infelizmente, ela esqueceu o que havia compreendido e, assim, seguimos sem rumo mesmo.

O desaparecimento dos golfinhos, a invasão alienígena, a política corrupta, o pessimismo, o significado da vida e o fim do mundo são apenas algumas coisas inexplicáveis sobre as quais Douglas Adams escreve. Sempre de forma crítica e filosófica, O Guia do Mochileiro das Galáxias nos desafia a questionar tudo em que acreditamos. Uma coisa, no entanto, tem um significado maior e mais complexo neste livro: o amor. Não há sentido nenhum em se apaixonar por alguém e, ainda assim, é como a metáfora linda de estar voando e não saber pousar. 

"Estava enganado ao pensar que podia esquecer que a Terra - imensa, sólida, oleosa, suja e pendurada em um arco-íris - na qual vivia não passava de um pontinho microscópico em um outro pontinho microscópico na infinitude inimaginável do Universo." (p. 50)

Sinopse: Com mais de 15 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo e uma galeria interminável de fãs, a série que traz o inglês Arthur Dent e o extraterrestre Ford Prefect como protagonistas de loucas aventuras espaciais ganha mais um episódio eletrizante.

Depois de viajar pelo Universo, ver o aniquilamento da Terra, participar de guerras interestelares e conhecer as mais extraordinárias criaturas, Arthur está de volta ao seu planeta. Tudo parece igual, mas ele descobre que algo muito estranho aconteceu na sua ausência. Curioso com o fato e apaixonado por uma garota tão estranha quanto o que quer que tenha acontecido, ele parte em busca de uma explicação.

Com sua peculiar ironia e seu talento aparentemente inesgotável para inventar personagens e histórias hilariantes - embora altamente filosóficas -, Douglas Adams nos presenteia com mais uma genial obra capaz de nos fazer refletir sobre o sentindo da vida de uma forma bem diferente da habitual.

Intercalando momentos cômicos com imagens e descrições poéticas, "Até Mais, e Obrigado pelos Peixes!" é mais uma aventura da "trilogia de cinco" que já levou os leitores a conhecerem situações bem improváveis e a viver momentos de reflexão e de pura diversão.

"A Galáxia é um lugar em constantes mudanças. Honestamente, há uma quantidade enorme de mudanças e cada parte está continuamente em movimento, continuamente mudando. Um verdadeiro pesadelo, você diria, para um editor escrupuloso e consciencioso, rigorosamente empenhado em manter esse volume eletrônico enormemente detalhado e complexo a par de todas as circunstâncias e condições mutantes que a Galáxia cospe da cada minuto de cada hora a cada dia, e você estaria enganado." (p. 87)


julho 12, 2017

[Livros] Três Coroas Negras - Kendare Blake (Três Coroas Negras #1)

Título Original: Three Dark Crowns
Autor: Kendare Blake
Editora: Globo Alt
Páginas: 304
Gênero: Fantasia, Ficção
País: EUA
ISBN: 9788525060792
Classificação: ★

_______________

Impactante, Três Coroas Negras foi um imenso 'o chão é lava' para mim, sem trocadilhos com a rainha Elemental. A fantástica história escrita por Kendare Blake me conquistou por sua originalidade e, principalmente, pelo seu final espetacular. Eu não encontrei palavras que pudessem descrever o último capítulo e o estado do meu coração ao fechar esse livro. Talvez a dádiva da escrita ainda não tenha despertado em mim. 

As muitas reviravoltas e desencontros no caminho das irmãs fizeram delas garotas fortes e cheias de raiva por sua sina. Separadas na infância, as rainhas trigêmeas foram criadas por três diferentes e poderosas famílias. Cada uma delas desenvolveu um poder - uma é elemental, uma naturalista e a outra é envenenadora, mas apesar de todo o sofrimento que passaram e os anos de treinamento para adquirirem suas dádivas, as trigêmeas tem um desafio muito mais cruel a cumprir: matar as próprias irmãs. Afinal, só uma pode ficar com a coroa.

A crueldade de uma tradição que obriga irmãs a se digladiarem pela coroa é justificada por uma crença religiosa moldada para nunca ser questionada. Nem mesmo o leitor compreende o pensamento arcaico e manipulador que gerou os rituais e isso é proposital. A narrativa é confusa e pouco explicativa porque as crenças são assim, feitas para deixar coisas sem explicação, forçando o as pessoas a acreditarem no que lhes é dito.

Não há empatia alguma do povo pelas jovens meninas, pelo contrário, sedentos por sangue, eles apostam em suas vencedoras. É um jogo de poder e política onde a mais forte (e a mais inteligente) vence. Ao mesmo tempo que detém um poder absoluto, as rainhas não tem voz, vontade ou direito de escolha. Sendo seu reinado uma maldição, a morte é um destino até menos assustador.

Kendare Blake criou uma sociedade em que a mulher tem um papel muito mais significativo que o homem e, nem por isso, menos cruel. As mulheres dessa série são bárbaras, impiedosas e tem muito mais força que qualquer um dos personagens masculinos - que são pouquíssimos, aliás. As rainhas são controladas por três poderes femininos que as posicionam como peões num tabuleiro, jogando com suas vidas de forma brutal, preparando-as para vencer como se todas pudessem sobreviver.

Katharine, Arsinoe e Mirabella cresceram ouvindo que deveriam matar suas irmãs. O ódio nutrido por suas famílias de criação lhes dá a motivação para destruir suas rivais. Controlando elementos da natureza, forças naturais e venenos, cada uma delas tem uma habilidade única e, apesar, de mostrarem não estarem preparadas para a difícil tarefa que lhes foi incumbida, elas sabem que não há como fugir. É vida ou morte.

Há muito romance, várias relações que se desenvolvem e fazem com que o foco do livro se perca momentaneamente. De certa forma, essas distrações funcionam para o leitor como funcionam para as protagonistas, mostrar que elas são capazes de amar, que não são apenas assassinas cruéis. 

A narrativa se encerra num cliffhanger, literalmente, genial e destruidor que promete uma sequência com mais ainda mais ação e ódio de uma irmã pela outra. Um dos melhores livros que li este ano, Três Coroas Negras mistura uma forte crítica social, política e religiosa ao clamor pela violência como entretenimento. Como escolher uma só coroa, se existem três rainhas tão parecidas que hoje se odeiam, mas se amaram um dia?

"- Você vai precisar que isso seja verdade - diz a Alta Sacerdotisa. - Porque, do contrário, é muito cruel forçar uma rainha a matar aquelas a quem ama. Suas próprias irmãs. E ver que elas surgem à porta como lobos em busca de sua cabeça." (p. 106)

Sinopse: Três herdeiras da coroa, cada uma com um poder mágico especial. Mirabella é uma elemental, capaz de produzir chamas e tempestades com um estalar de dedos. Katharine é uma envenenadora, com o poder de manipular os venenos mais mortais. E Arsinoe é uma naturalista, que tem a capacidade de fazer florescer a rosa mais vermelha e também controlar o mais feroz dos leões.

Mas para coroar-se rainha, não basta ter nascido na família real. Cada irmã deve lutar por esse posto, no que não é apenas um jogo de ganhar ou perder: é uma batalha de vida ou morte. Na noite em que completam dezesseis anos, a batalha começa.

"Três bruxas de negro num vale vêm ao mundo,
Pequenas doces trigêmeas
Nutrem um ódio profundo

Três bruxas de negro, lindas de se ver
Duas a serem devoradas
E uma Rainha por ser." (p. 201)


julho 05, 2017

[Livros] A Cruz de Fogo - Parte II - Diana Gabaldon (Outlander #8)

Título Original:The Fiery Cross #8
Autor: Diana Gabaldon
Editora: Arqueiro
Páginas: 592
Gênero: Ficção, Romance Histórico
País: EUA
ISBN: 9788580416862
Classificação: ★

_______________

Se a primeira parte de A Cruz de Fogo não havia trazido muita emoção e aventura à saga de Claire e Jamie Fraser, este segundo volume valeu a espera por algo mais empolgante. Com inúmeras reviravoltas, a vida pacata nas montanhas deu lugar a um turbilhão de perigos e acendeu uma cruz de fogo para nos preparar para o que vem por aí.

É incrível como Diana Gabaldon consegue reunir tanta história para contar. Cada volume da série Outlander - ainda na metade da publicação no Brasil - tem aproximadamente seiscentas páginas e, ainda assim, a trama se desenrola de maneira interessante. Com muito embasamento histórico e científico misturado com fantasia e misticismo, a autora traz em seu romance histórico uma riqueza narrativa ímpar e nos envolve com cada uma de suas palavras, mesmo que elas não sejam poucas.

Na continuação de A Cruz de Fogo, Claire e Jaime estão se preparando para as primeiras revoltas dos rebeldes contra a Coroa. Munidos do ponto de vista único de Claire, Brianna e Roger, a família Fraser tenta permanecer alheia às movimentações políticas, enquanto o conflito ainda não está bem delineado. Sabendo que o lado vencedor declarará independência da Inglaterra criando Os Estados Unidos da América que nós conhecemos, eles se preparam para o caos da formação de um novo país.

Brianna e Roger, um casal que não me agrada muito em contraste a Claire e Jamie, enfrenta uma das maiores dúvidas de sua chegada no século XVIII. A perspectiva iminente da guerra e os riscos que envolvem sua estadia nesse período turbulento da história faz com que a relação deles se abale e será preciso muito mais do que conhecimento histórico para mantê-los juntos.

Um Jamie mais maduro e forte aparece em A Cruz de Fogo. Relembrando os horrores da guerra e visando proteger sua própria família, o escocês retoma sua força adormecida em busca do Novo Mundo. O sentimento de vingança ainda paira no ar, por terem deixado Bonnet impune após suas atrocidades, Jamie e Roger planejam dar fim à vida do cruel marinheiro e fazer com que ele pague por todo o sofrimento que causou. Os perigos dessa empreitada são bastante evidentes, mas como dissuadir um homem das Terras Altas a desistir de sua honra?

Com um ritmo bem mais acelerado que seu antecessor, Diana Gabaldon coloca nosso coração à prova e arrisca a vida de nossos personagens favoritos. Em meio a um período conturbado e muito importante para a formação do nosso presente, Jamie Fraser e sua família tentam sobreviver ao futuro reescrevendo o passado. Milhares de páginas lidas e ainda não tive o suficiente de Outlander, como já dizia Claire, voltar das pedras é cada vez mais doloroso, assim como fechar as páginas do seu livro favorito.

"Coloquei minha mão sobre a dele, onde estava, pousada em cima da caixa. A pele dele estava quente por causa do trabalho e do calor do dia, e ele cheirava a suor. Os pelos de seu braço brilhavam ruivos e dourados ao sol, e eu entendi muito bem naquele momento por que os homens mediam o tempo. Eles desejavam fixar um momento, na esperança vã de que, ao fazer isso, o tempo não passe." (p. 181)

Sinopse: Uma história sobre lealdade. Não há mais como escapar: a guerra está diante de Jamie, Claire e sua família. Quando as tensões entre o governo e os rebeldes se acirram, a milícia é convocada mais uma vez e o conflito chega ao clímax na Batalha de Alamance.

De volta ao vilarejo onde moram, os Frasers e os MacKenzies ainda terão que enfrentar diversas tribulações, que acabarão aproximando Jamie e seu genro, Roger. Os dois tramam um plano para acabar com Stephen Bonnet, o sórdido capitão que violentara Brianna, pondo em dúvida a paternidade de seu filho, Jemmy.

Em meio a várias revelações, o mais surpreendente é o retorno inesperado de um conhecido, que traz uma pista capaz de desvendar os mistérios que cercam os viajantes do tempo.

Grandiosa, envolvente e inesquecível, a segunda parte de A Cruz de Fogo é uma vibrante mistura de fatos históricos e dramas humanos.

"- Por quê? - perguntei por fim. - Por que você... escolheu ficar? (...)
- Porque você precisa de mim - disse ele baixinho.
- Não porque você me ama?
Ele olhou para mim, esboçando um sorriso.
- Sassenach... eu a amo agora e sempre vou amá-la. Se eu estiver morto, se você estiver morta, se estivermos juntos ou separados. Você sabe que é verdade." (p. 347)


julho 03, 2017

[Livros] Big Rock - Lauren Blakely

Título Original: Big Rock
Autor: Lauren Blakely
Editora: Faro Editorial
Páginas: 224
Gênero: Romance Erótico, Ficção
País: EUA
ISBN: 9788562409943
Classificação: ★

_______________

Um romance erótico leve, perfeito para esquentar esses dias frios, Big Rock de Lauren Blakely é um dos melhores livros do gênero que li nos últimos tempos. Com uma narrativa descomplicada, a autora não ousa e aposta no clichê que tanto adoramos - o sedutor galanteador que se interessa por uma garota em especial. O protagonista nos conquista com seus muitos atributos, sendo o mais importante deles sua capacidade de contar uma boa história.

Com uma auto-confiança típica de machos-alfa da literatura e da vida real, Spencer inicia a narrativa falando sobre suas qualidades. Nada modesto, ele se descreve como um profundo conhecedor do prazer feminino e promete arrancar suspiros das leitoras. De fato, sua promessa se cumpre e no decorrer de Big Rock, percebemos o porquê desse tipo de homem ser tão desejado. 

Há uma referência ao "tamanho avantajado" do rapaz no primeiro capítulo e esse detalhe acaba aparecendo diversas vezes no decorrer da trama apesar de ser a menor - ou não - das qualidades na lista de Spencer Holiday. Essa e outras tiradas cômicas naturais, especialmente nos diálogos, não tornam a narrativa vulgar, pelo contrário, trazem leveza e fluidez a trama. Em muitos momentos, me vi rindo do comportamento do playboy convencido, tendo certeza que já conheci caras que se acham tanto quanto ele. 

Spencer e Charlotte são melhores amigos desde a faculdade. Ele um solteirão inveterado, não se vê em um relacionamento com ninguém. Ela, acabou de sair de uma relação horrível e tenta se livrar do ex babaca que a traiu. Os dois são sócios numa rede de bares e, assim como nos negócios, parceiros para proteger um ao outro de problemas.

Quando a família de Spencer se vê tentando fechar negócio com um conservador e autoritário magnata, ele é obrigado a fingir que não é um conquistador que traz uma mulher diferente para casa todas as noites. Por uma semana, até a concretização do acordo, ele propõe fingir ser noivo de Charlotte e essa friendzone rapidamente vai evoluir para amigos com benefícios. As transformações no relacionamento dos dois são deliciosas de acompanhar e, de uma maneira fofa sem deixar de ser sensual, Lauren Blakely nos dá um romance apaixonante repleto de cenas arrebatadoras e momentos cômicos.

O título do livro - sabiamente não traduzido - tem duplo sentido e remete tanto ao instrumento de Spencer, quanto ao grande diamante que ele dá a Charlotte, sacada genial da autora! Bem costurada, a história retoma acontecimentos dos primeiros capítulos ao seu final, mostrando que foi bem planejada e desenvolvida. Aliás, não há nada que não funcione bem nesse livro, incluindo Spencer Holiday, tudo é perfeito e na medida certa. 

"Eu posso ser mestre na arte de trepar, mas também sou um cavalheiro. Eu abro as portas do seu coração antes de abrir as suas pernas. Eu puxarei a cadeira para você se sentar, tirarei seu casaco, pagarei o jantar e a tratarei como uma rainha, na cama e fora dela." (p. 7)

SinopseA maioria dos homens não entendem as mulheres.” Spencer Holiday sabe disso. E ele também sabe do que as mulheres gostam.

E não pense você que se trata só de mais um playboy conquistador. Tá, ok, ele é um playboy conquistador, mas ele não sacaneia as mulheres, apenas dá aquilo que elas querem, sem mentiras, sem criar falsas expectativas. “A vida é assim, sempre como uma troca, certo?” Quer dizer, a vida ERA assim.

Agora que seu pai está envolvido na venda multimilionária dos negócios da família, ele tem de mudar. Spencer precisa largar sua vida de playboy e mulherengo e parecer um empresário de sucesso, recatado, de boa família, sem um passado – ou um presente - comprometedor... pelo menos durante esse processo.

Tentando agradar o futuro comprador da rede de joalherias da família, o antiquado sr. Offerman, ele fala demais e acaba se envolvendo numa confusão. E agora a sua sócia terá que fingir ser sua noiva, até que esse contrato seja assinado. O problema é que ele nunca olhou para Charlotte dessa maneira – e talvez por isso eles sejam os melhores amigos e sócios. Nunca tinha olhado... até agora.

"Alguma coisa está acontecendo. Alguma coisa estranha, completamente desconhecida. Meu coração está falando uma língua que eu não compreendo, enquanto tenta me arrastar para Charlotte.
Era só o que faltava. Agora, em vez de lutar contra um órgão todo santo dia, vou ter de lutar contra dois." (p. 152)

julho 02, 2017

[Livros] Tudo e Todas As Coisas - Nicola Yoon

Título Original: Everything Everything
Autor: Nicola Yoon
Editora: Arqueiro
Páginas: 280
Gênero: Ficção, YA
País: EUA
ISBN: 9788580416992
Classificação: ★

_______________

Nicola Yoon conquistou meu coração depois de O Sol Também É Uma Estrela e, por conta disso, resolvi ler seu primeiro livro publicado que recentemente foi adaptado para o cinema. Infelizmente, o romance não me convenceu tanto quanto eu esperava e apesar de não ter decepcionado, Tudo e Todas As Coisas também não me comoveu. É como se faltasse alguma coisa, como se eu esperássemos ver tudo mas só víssemos algumas coisas.

Os questionamentos científicos e existenciais característicos da narrativa de Yoon se fazem presentes e este é o ponto alto do livro. As sacadas geniais envolvendo matemática e filosofia se combinadas às ilustrações lindas - feitas pelo marido da autora - agregam muito à história. Como um diário da protagonista, nós temos uma visão complexa do que é ser privada do convívio social e ser obrigada a viver por meio dos livros, o que acaba sendo uma metaleitura interessante, uma vez que nós só conhecemos o mundo de Maddie por meio de um.

Madeline nasceu com uma rara condição genética - IDCG também conhecida como imunodeficiência combinada grave - e viveu toda a sua vida em um ambiente esterilizado sem contato com o mundo externo. As únicas pessoas que ela tem são a mãe e a enfermeira. Aos dezoito anos, sua experiência de vida ou a falta dela fez com que a jovem se conforme com tudo o que não pode ter. No entanto, as coisas mudam quando ela se apaixona pela primeira vez e seu mundo vira de cabeça para baixo. 

Olly e sua família - bastante problemática por sinal - acabaram de se mudar para a casa ao lado da de Maddie. A curiosidade atrai a garota a bisbilhotar a vida de seus vizinhos e de forma recíproca, o atraente garoto também se sente curioso a respeito da menina que nunca sai de casa. A relação de curiosidade e estranhamento entre os dois evolui, a meu ver, de forma muito apressada e pouco verdadeira, é como se instantaneamente eles tivessem se apaixonado pelo vidro que os separa.

O romance central é extremamente previsível e basicamente todo o desenrolar da trama também. Intencionalmente ou não, é fácil deduzir o final do livro e isso contribuiu para meu desencanto. Em contrapartida ao casal morno e forçado de protagonistas, as duas mães presentes na narrativa mereciam mais destaque. Em oposição, há uma mãe super-protetora, sempre presente e preocupada que zela por Maddie desde que ela nasceu e uma mãe que apanha do marido, expõe suas crianças a um pai violento e, aparentemente, o ama mais do que ama aos próprios filhos. É uma balança desequilibrada de preocupação e amor. 

Tudo e Todas As Coisas arrebatou muitos corações adolescentes e a história é realmente bonitinha, até digna de uma adaptação cinematográfica, mas não passa disso. A grande mensagem do romance é a de que devemos aproveitar cada instante e viver todas as experiências que o mundo puder nos proporcionar. Seja através da leitura ou no mundo real, devemos buscar a felicidade em tudo e em todas as coisas.

"- O que você pediu? - pergunta ela assim que abro os olhos.
Só existe uma coisa que eu possa desejar: uma cura milagrosa que me permita correr lá fora, livre como um animal selvagem. Mas nunca peço isso, porque é impossível. É como pedir que sereias, dragões e unicórnios existam de verdade. Então, peço alguma coisa mais provável do que a cura. Alguma coisa que não nos deixe tristes ao ser dita. 
- A paz mundial - respondo." (p. 18)

Sinopse: Tudo envolve riscos. Não fazer nada também é arriscado. A decisão é sua. A doença que eu tenho é rara e famosa. Basicamente, sou alérgica ao mundo. Não saio de casa. Não saí uma vez sequer em 17 anos. As únicas pessoas que eu vejo são minha mãe e minha enfermeira, Carla.

Então, um dia, um caminhão de mudança para na frente da casa ao lado. Eu olho pela janela e o vejo. Ele é alto, magro e está todo de preto: blusa, calça jeans, tênis e um gorro que cobre o cabelo. Ele percebe que eu estou olhando e me encara. Seu nome é Olly.

Talvez não seja possível prever tudo, mas algumas coisas, sim. Por exemplo, vou me apaixonar por Olly. Isso é certo. E é quase certo que isso vai provocar uma catástrofe.

"Se minha vida fosse um livro e você o lesse de trás para a frente, nada mudaria. Hoje é igual a ontem. Amanhã vai ser igual a hoje. No livro de Maddy, todos os capítulos são iguais. 
Até surgir Olly. (...)
Agora, minha vida não faz mais nenhum sentido. Como posso voltar a ser A Garota que Lê? Não que eu lamente viver nos livros. Tudo o que sei sobre o mundo aprendi com eles. Mas a descrição de uma árvore não é uma árvore, e milhares de beijos de papel jamais serão iguais à sensação dos lábios de Olly colados nos meus." (p. 145)

junho 21, 2017

[Séries] As 3 Cenas Mais Tristes de The Originals (spoilers) #1

Sabe quando você está assistindo a uma série e chega naquele momento em que alguma coisa emocionante acontece e eles ainda colocam aquela trilha sonora especial para te fazer se acabar de chorar? Eu coleciono momentos assim (chorei em todos eles) em várias séries que eu já assisti. Resolvi fazer listas dos momentos mais tristes e lindos em The Originals - uma das minhas séries favoritas. Prepare os lencinhos e se ainda não assistiu a série, assista, é fantástica!


The Originals - 03x21 : Davina & Kol


"- Eu estava morto há eras. E naquela noite eu vi você saindo da igreja como se o mundo todo estivesse nos seus ombros. Você viu flores mortas, parou, olhou ao redor e trouxe as flores de volta à vida com sua magia. Você sorriu e algo dentro de mim se abriu. Eu estava morto há eras e apenas naquele momento eu voltei à vida novamente."


The Originals - 03x19 : Cami & Klaus



"- Diferentemente de todas as almas que eu encontrei e esqueci em minha longa existência, eu vou te levar comigo.
- Acho que isso me faz imortal."


The Originals - 02x14 : Davina & Kol


"- Debaixo dessas mesmas estrelas, há um cara com sua garota. Ele acha que tem todo o tempo do mundo e ele está certo. E eu o odeio por isso."

junho 19, 2017

[Livros] A Conquista - Elle Kennedy (Amores Improváveis #4)

Título Original: The Goal #4
Autor: Elle Kennedy
Editora: Paralela
Páginas: 296
Gênero: Romance, NA
País: EUA
ISBN: 9788584390663
Classificação: ★

_______________

Desfecho de Amores Improváveis, A Conquista é o mais morno dos new adults que compõe a série de quatro volumes mas, ainda assim, consegue conquistar corações. Elle Kennedy optou por encerrar a história dos jogadores de hóquei da Briar com o mais fofo e gentil dos quatro amigos - Tucker - e mostrou uma narrativa mais adulta que as anteriores, o que pode ser um ponto positivo ou negativo dependendo do leitor. 

A quebra no padrão trouxe amadurecimento para as personagens e desenvolveu questões mais complexas, no entanto, destoou dos outros e quebrou a sensação de identificação que a série vinha construindo comigo. A protagonista nada carismática e com dramas excessivamente forçados também não contribuiu para que eu gostasse desse livro tanto quanto dos demais. 

Os protagonistas se conheceram por acaso no Malone's - lanchonete famosa para os fãs da autora - e foi atração à primeira vista. Uma noite inesquecível acaba unindo o destino dos dois e nem a fama de bruxa que Sabrina James tem é capaz de afastar o romântico e apaixonante John Tucker dela. 

O problema é que, como todas as outras mocinhas da série, Sabrina esnoba o cara até não poder mais, afinal, ela não tem tempo para um relacionamento. Ela vive nos subúrbios de Boston e se esforça muito para sair do lugar onde vive com a avó e o tarado do padrasto. Entrar em Harvard é seu sonho e sua única possibilidade de sucesso, assim, ela se dedica inteiramente aos estudos. Namorar seria uma distração. Mas como evitar se distrair depois de ter o melhor sexo da sua vida?

Tuck sabe o que dizem sobre Sabrina, mas não se importa. A partir do momento em que botou os olhos na garota, soube que ela era mais do que diziam. No entanto, se aproximar dela é mais difícil do que ele pensava e ao perceber que seu comportamento frio é uma forma de defesa, ele decide protegê-la a todo custo. Mesmo que seja de se magoar.

Anunciada em O Jogo, a gravidez de Sabrina James é o foco da história, mas apenas um dos empecilhos para o casal ficar junto. A teimosia da jovem faz com que grande parte do tempo eles passem separados e o romance entre os dois é pouquíssimo desenvolvido. Engravidar no início da vida adulta é uma surpresa para os dois e coloca em cheque uma relação que já não tinha um futuro muito promissor, levando-os a tomar decisões que os acompanharão pelo resto da vida. 

Apesar do fofo Tuck não ter todo o charme de Garrett, Logan e Dean, há cavalheirismo, sensualidade, humor, inteligência e algo mais que só os jogadores de hóquei da Briar têm. É como se cada um deles existisse na ficção para diminuir nossas chances de encontrar um cara perfeito na realidade. Depois de tantos protagonistas e casais lindos formados, a série de Elle Kennedy vai deixar saudade. É como se depois de ter conquistado nossos corações esses garotos estivessem prontos para encarar a vida adulta e conquistar o mundo. 

"E então ela me oferece uma abertura.
- E o que você quer hoje em dia?
- Você." (p. 25)

Sinopse: De todos os jogadores do time de Hóquei da universidade de Briar, John Tucker se destaca por ser o mais sensato, gentil e amável. Diferente de seus amigos mulherengos, ele sonha mesmo é com uma vida tranquila- esposa, filhos e, quem sabe um dia, abrir um negócio próprio. Mas nem mesmo o cara mais calmo do mundo estaria preparado para o turbilhão de emoções que ele está prestes a enfrentar. 

Sabrina James é a pessoa mais ambiciosa, dedicada e batalhadora do campus. Seu jeito sério e objetivo é interpretado por muitos como frieza, mas ela não está nem aí para sua fama de antipática. Tudo o que ela quer é passar em Harvard, tirar ótimas notas e conquistar a tão sonhada carreira como advogada. Só assim ela conseguirá escapar de seu passado difícil e de sua família terrível. Um acontecimento inesperado vai desses jovens de cabeça para baixo. 

Tucker e Sabrina vão precisar se unir e rever seus planos para o futuro. Juntos, eles aprenderão que a vida é cheia de surpresas, e que o amor é a maior conquista de todas.

"A verdade é que não tenho nenhuma resposta. Não sei o que Tucker e eu somos um para o outro. Só sei que sinto falta dele quando não está por perto. Que toda vez que aparece uma mensagem dele no meu celular, meu coração flutua feito um balão de gás. Que quando ele me olha com aqueles olhos castanhos de pálpebras pesadas, esqueço meu próprio nome." (p. 142)

junho 10, 2017

[Livros] A Rainha de Tearling - Erika Johansen (A Rainha de Tearling #1)

Título Original:The Queen Of The Tearling #1
Autor: Erika Johansen
Editora: Suma de Letras
Páginas: 352
Gênero: Fantasia, Distopia,
País: EUA
ISBN: 9788556510280
Classificação: ★

_______________

Uma mistura de fantasia e distopia em "tons" medievais, A Rainha de Tearling é um romance complexo e com diversas nuances. Com uma heroína forte e representativa que se desenvolve junto com a trama, esse é o tipo de história que se destaca das demais, envolvendo inclusive magia. Não se nota similaridade com outras distopias populares contemporâneas. É como se Erika tivesse criado algo inteiramente novo e fora dos padrões, uma verdadeira Travessia.

Com um desenrolar lento, bastante característico do gênero, A Rainha de Tearling foi uma das leituras que eu mais demorei para concluir esse ano. A introdução e ambientação distópica se fez necessária e a construção dos personagens, extremamente precisa, ajudou a criarmos empatia com eles, nos preparando para os acontecimentos do próximo volume.

Criada longe da realeza, Kelsea foi educada por seus pais adotivos para assumir seu trono quando completasse dezenove anos. A jovem sempre achou que havia sido abandonada pela mãe, mas descobriu que na verdade, foi escondida de pessoas cruéis responsáveis pela morte da rainha. Ser a rainha de Tearling é, portanto, uma sentença de morte, mas Kelsea a desafia e a aceita de bom grado.

Em um reino que existe muitos séculos no futuro, a civilização voltou a cometer os mesmos erros do passado. O poder permanece nas mãos de quem governa com mãos de ferro e a monarquia absolutista tira do povo tudo o que eles tem, inclusive suas próprias vidas. A barbárie impera e o "tom medieval" que faz com que muitos acreditem que essa narrativa se passe na Idade Média é proposital, Erika Johansen fez com que o futuro nos remetesse ao nosso passado mais sombrio, evidenciando que estamos sempre cometendo os mesmos erros e que a História tende a se repetir.

Kelsea assume a obrigação de cuidar do seu povo e tentar eliminar toda e qualquer injustiça, mas sua força de vontade imediatamente esbarra na burocracia e nas leis arcaicas e desumanas que vigoram. O povo do Tearling é controlado pelo terror e sofre nas mãos do Regente - tio da princesa, ele mantém uma parceria de "negócios" com a Rainha Vermelha, uma feiticeira cruel e impiedosa que governa o reino vizinho e ameaça destruir todo o Tearling caso seu reinado de sangue seja questionado.

Por toda a sua vida, a jovem princesa viveu escondida por estar jurada de morte. Diversos mercenários, como os Caden, servos da Rainha Vermelha e até mesmo do Regente a perseguiram sem sucesso. Protegida pelos pais adotivos, Kelsea cresceu e quando decide aceitar o trono, essa proteção passa a ser oferecida pela Guarda Real - os mais valentes e fiéis servos de sua falecida mãe. 

A Guarda é chefiada por Clava, o mais habilidoso e corajoso dos guerreiros, disposto a matar e morrer pela rainha de Tearling. A relação de confiança e amizade que Clava e Kelsea desenvolvem é o ponto alto do livro e a fé que o cavaleiro deposita na garota é tocante, ele a vê como uma salvadora, a única pessoa capaz de libertar seu povo. Mais sábio e mais experiente, ele a aconselha e contrabalanceia o comportamento impulsivo e sonhador da nova rainha, dando a ela a segurança que ela precisa, literalmente.

O livro - primeiro de uma trilogia - termina no seu ápice, nos deixando apreensivo para as consequências das escolhas de Kelsea. A Rainha de Tearling nos faz questionar diversos valores e nos dá pontos de vista diversos sobre o conceito de benevolência e maldade. Há uma preocupação em mostrar os dois lados de uma situação e as consequências de cada movimento feito por eles. Erika Johansen constrói um mundo único que pode, infelizmente, ser mais parecido com o nosso do que imaginamos.

"A ideia de os pobres de Tearling se rebelarem contra o governo era tão improvável que chegava a ser engraçada. Eles estavam ocupados demais tentando obter a próxima refeição." (p. 151)

Sinopse: Quando a rainha Elyssa morre, a princesa Kelsea é levada para um esconderijo, onde é criada em uma cabana isolada, longe das confusões políticas e da história infeliz de Tearling, o reino que está destinada a governar. 

Dezenove anos depois, os membros remanescentes da Guarda da Rainha aparecem para levar a princesa de volta ao trono – mas o que Kelsea descobre ao chegar é que a fortaleza real está cercada de inimigos e nobres corruptos que adorariam vê-la morta. Mesmo sendo a rainha de direito e estando de posse da safira Tear – uma joia de imenso poder –, Kelsea nunca se sentiu mais insegura e despreparada para governar. 

Em seu desespero para conseguir justiça para um povo oprimido há décadas, ela desperta a fúria da Rainha Vermelha, uma poderosa feiticeira que comanda o reino vizinho, Mortmesne. Mas Kelsea é determinada e se torna cada dia mais experiente em navegar as políticas perigosas da corte. Sua jornada para salvar o reino e se tornar a rainha que deseja ser está apenas começando. Muitos mistérios, intrigas e batalhas virão antes que seu governo se torne uma lenda... ou uma tragédia.

"Esperei muito tempo por você, rainha tear. Mais do que pode imaginar." (p. 308)


maio 27, 2017

[Livros] O Sol Também É Uma Estrela - Nicola Yoon

Título Original: The Sun Is Also A Star
Autor: Nicola Yoon
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Gênero: Ficção, Young Adult
País: EUA
ISBN: 9788580416589
Classificação: ★

_______________

Brilhante como o sol, o segundo romance de Nicola Yoon é absolutamente maravilhoso e se tornou um dos meus favoritos da vida. Falando sobre amor, destino e as relações entre eles, O Sol Também É Uma Estrela não apenas encanta, como também faz pensar. Com uma mistura de ciência e misticismo, este é um livro que não tenta definir o que é o amor, mas sim, retratá-lo da forma mais fiel possível, bem como seus efeitos colaterais.

Sob inúmeros pontos de vista, a autora nos dá uma perspectiva complexa e completa de cada pessoa que cruza o caminho dos protagonistas, explicando as motivações por trás de cada atitude e mostrando que, se o amor é um sol, vários planetas giram ao seu redor. Uma pequena ação pode ter um efeito catastrófico em sequência e estamos todos esbarrando uns nos outros, nós apenas não nos damos conta do quanto afetamos o resto do mundo.

É como se o título fosse uma metáfora para essa percepção de que o sol não gira em torno do planeta e, portanto, as coisas não acontecem apenas para nós. Somos algo maior, um sistema elaborado que depende de várias outras estruturas - pessoas, planetas - para funcionar. Essa mudança no paradigma é representada também com a narração de pessoas comuns que tem pouco a ver com Daniel e Natasha mas ainda assim, afetam suas vidas. À primeira vista, algumas delas são consideradas cruéis, insignificantes mas, quando vistas sob outra perspectiva, se tornam apenas pessoas com seus próprios universos.

Natasha é uma admiradora da ciência, ela acredita na praticidade e não crê em algo que não possa ser provado ou medido cientificamente. Ela é filha de imigrantes ilegais e, por conta de um erro de seu pai, está sendo deportada com a família para a Jamaica. Enquanto tenta reverter a ordem judicial, ela esbarra num garoto que é seu total oposto e vai virar seu mundo de cabeça para baixo.

Daniel é descendente de coreanos e vive para agradar seus pais. Cada escolha da sua vida foi planejada e arquitetada por eles, bem como sua infelicidade. Ele está "destinado" a ser médico, mas deseja ser poeta e um sonhador apaixonado como é, vai mostrar à Natasha que o a vida é bem mais do que fatos concretos, uma grande abstração.

Por um dia, esse casal extremamente improvável vai tentar desvendar o universo um do outro, mostrando que é preciso ter um pouco de fé e um pouco de lógica para se apaixonar. E enquanto tudo parece determinado a afastá-los, o Universo parece determinado a uni-los. Os dois se encaixam como polos positivo e negativo se atraem. Em uma realidade que poderia se desdobrar em milhares de possibilidades diferentes, como um desencontro, um acidente ou uma deportação, eles percebem que o futuro se define a cada passo que damos e, assim, cada estrela faz toda a diferença no Universo.

"Para cada evento no nível quântico, o universo atual se divide em múltiplos universos. Isso significa que, para cada escolha que a gente faz, existe um número infinito de universos em que você fez uma escolha diferente." (p. 70)

Sinopse: Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.

Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.

O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?

"Natasha é diferente. Acredita no determinismo: causa e efeito Uma ação leva a outra e a outra. As ações determinam seu futuro. Nesse sentido ela não é diferente do pai de Daniel. 
Daniel vive no nebuloso espaço intermediário. Talvez não estivesse destinado a conhecer Natasha hoje. Talvez tenha sido uma coisa aleatória. Mas...
Uma vez que se conheceram, o resto, o amor entre eles, era inevitável." (p. 165)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...