agosto 10, 2017

[Livros] Fuck Love - Louco Amor - Tarryn Fisher

Título Original: F*ck Love
Autor: Tarryn Fisher
Editora: Faro Editorial
Páginas: 288
Gênero: Ficção, Romance
País: EUA
ISBN: 9788562409998
Classificação★★☆☆☆
_______________

Demorei mais do que esperava para escrever essa resenha porque esse livro representou um monte de coisas para mim - a maioria delas ruins. Por um lado, a história de auto-conhecimento e desenvolvimento pessoal de uma pessoa com problemas similares aos meus me conquistou, por outro, o desenvolvimento da trama me decepcionou e jogou um balde de água no que eu mais havia gostado no romance. Talvez essa dualidade - o lado positivo e negativo - presente também no amor, no entanto, faça sentido - mesmo que livro não faça.

Partes da trama mexeram comigo positivamente sim, muitas frases pareceram escritas para o meu momento. Até mesmo o drama da protagonista é parcialmente compreensível e, apesar de não concordar com as atitudes da personagem, me apaixonei pelos momentos reflexivos que intercalavam seus momentos de impulso. Tarryn descreve uma jornada de redescoberta que tenta nos faz enxergar que o amor-próprio sempre deve estar acima do amor, mas falha, pois cai em sua própria armadilha. Um outro final teria funcionado para mim.

Helena se apaixonou pelo único cara pelo qual nunca deveria ter se apaixonado - o namorado da melhor amiga. Desejar alguém que não pode ser seu e, principalmente, machucar assim alguém com quem você se importa é uma situação complicada. Em diversos momentos, vi em Helena uma mulher egoísta, carente e desesperada mas, apesar de não ter simpatizado nem um pouco com a protagonista, compreendi suas crises e torci por ela - na maior parte do tempo - e por decisões melhores.

O comportamento obsessivo de Helena poderia ser taxado como abusivo, afinal, ela persegue o namorado da melhor amiga, se infiltra na vida da ex-namorada dele e até mesmo vai morar na cidade em que ele nasceu. Pouca gente teve essa percepção, especialmente porque é uma personagem feminina que inspira mais dó do que raiva mas, a mim, incomodou demais a forma com Helena cercou a vida de Kit e destruiu o relacionamento dele com Della.

Della, Kit e Helena são insuportáveis. Com personalidades rasas, desinteressantes e egocêntricas, o triângulo amoroso não me convenceu e, de verdade, pouco me importou. Em resumo, Helena deseja o namorado palerma da amiga escrota. Não há conexão entre nenhum deles e os fios que mantém a história são tão frágeis que não se sustentam. 

O final foi a pior decepção literária desse ano. Tarryn Fisher é conhecida por fazer seus leitores amarem ou odiarem seus livros e eu entendi o porquê. Em conjunto a uma trama fraca, personagens entediantes e um título pretensioso que prega justamente o contrário da sua narrativa, o desfecho me frustrou a ponto de me deixar indignada. Nem as inúmeras referências - nada espontâneas e extremamente forçadas - a Harry Potter fizeram com que o livro me conquistasse. Infelizmente, Fuck Love só me proporcionou algumas boas frases. 

"Você só começa a procurar a verdade quando alguma coisa dá terrivelmente errado e você percebe que precisa buscar respostas. Não há mais volta quando ultrapassamos esse ponto. As emoções são enterradas debaixo do concreto. É como se dez anos tivessem se apagado da minha vida e eu me tornasse adulta sem ter vivido o tempo atual." (p. 78)

Sinopse: Helena Conway se apaixonou. Contra sua vontade. Perdidamente. Mas não sem motivo.Kit Isley é o oposto dela desencanado, espontâneo, alguém diferente de todos os homens que conheceu. Ele parece o seu complemento. Poderia ser tão perfeito... se Kit não fosse o namorado da sua melhor amiga. 

Helena deve desafiar seu coração, fazer a coisa certa e pensar nos outros. Mas ela não o faz... Tentar se afastar da pessoa amada é como tentar se afogar. Você decide fugir da vida, pulando na água, mas vai contra a natureza não buscar o ar. Seu corpo clama por oxigênio sua mente insiste que você precisa de ar. Então você acaba subindo à superfície, arfando, incapaz de negar a si mesma essa necessidade básica de ar. De amor. De desejo ardente. 

Você pode pensar que já viu histórias parecidas, mas nunca tão genuínas como essa. Tarryn, a escritora apaixonada por personagens reais, heroínas imperfeitas, mais uma vez entrega algo forte, pulsante, que nos faz sofrer mas também nos vicia. Depois dela, todas as outras histórias começam a parecer como contos de fadas. Se você não quer se viciar, não leia a primeira página.

"- Tudo bem, mas estou tentando me encontrar.
- Essa, minha querida, é a coisa mais assustadora que você poderia querer fazer.
- Por quê?
- Porque você pode não gostar do que vai encontrar." (p. 142)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua sugestão, opinião ou crítica. Prometo lê-las com carinho. Mil beijos, Mari Siqueira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...