novembro 27, 2013

[Livros] A Garota que Tinha Medo - Breno Melo

Título Original: A Garota que Tinha Medo
Autor: Breno Melo
Editora: Schoba
Páginas: 252
Gênero: Ficção, Romance, Auto-Ajuda
País: Brasil
ISBN: 9788580132793
Classificação★★★★☆
_______________

Há algumas semanas, recebi um contato da Editora Schoba por email, me perguntando se eu gostaria de receber seu último lançamento, o livro A Garota que Tinha Medo, para resenha.

O mais incrível é que eu sofro de crises de ansiedade severas, que me paralisam e me fazem sair correndo de um restaurante, do metrô, da faculdade, com medo de morrer. É o que acontece com a protagonista do livro, e a proposta para resenhá-lo não poderia ter surgido em um momento melhor. Claro, aceitei e não me arrependi. 

A leitura me foi muito esclarecedora, Breno Melo aborda o tema com maestria, nos explicando os dilemas da síndrome do pânico, seus desdobramentos e o preconceito enfrentado por nós, os chamados panicosos.

A protagonista dessa história é Marina (veja aí mais uma coincidência, até o nome parece com o meu), uma jovem que vive sob muita pressão da mãe para entrar numa boa faculdade. O pouco tempo livre e as enormes responsabilidades sobrecarregam a menina que simplesmente surta. Ela começa a ter crises, a gritar, a tremer, suar e sentir que vai morrer. E é assim mesmo que acontece, uma sensação indescritível de medo, um medo que provoca sintomas reais.

O namorado, os amigos, os pais, ninguém consegue compreendê-la. Talvez por falta de informação, afinal, quem nunca passou por isso ou não conhece alguém que passou por isso, não sabe como é. Eu enfrento diariamente preconceito por conta disso, as pessoas dizem que entendem, mas vivem me perguntando quando minha frescura vai acabar. E os que não dizem isso, pensam.

É complicado entender como uma doença que parece imaginária, afinal você não tem nenhum problema de saúde, pode causar um estrago tão grande na vida de uma pessoa. E eu te digo que pode. Mas essa postagem não é sobre mim, e sim sobre o que o livro me trouxe de bom. Me trouxe tranquilidade, esperança e coragem para enfrentar esse medo irracional que me faz querer fugir de alguns lugares e situações.

Marina tem um namorado, um imbecil de um namorado, na verdade. Ele não a compreende e a abandona no meio de uma crise, isso é a pior coisa a se fazer. Não adianta e só mostra que estamos sozinhos nessa luta. No livro, o namorado dela a acha uma louca. E ela até começa a acreditar nisso. Daí vem a necessidade de alguém positivo ao seu lado, de negativo já basta você.

Depois de muito sofrimento, a menina finalmente é diagnosticada com síndrome do pânico. Após sofrer crises no trânsito, na igreja, na faculdade, no shopping, ela passa a evitar tais lugares. A ansiedade e o medo de passar mal novamente a impedem de frequentar os lugares que ela sempre frequentou. Eu disse que o medo era irracional. Mas vá tentar dizer isso para o nosso cérebro no momento de pânico, é impossível. Especialmente saber que você não vai morrer e mesmo assim ainda ter medo.

Entre personagens muito bem desenvolvidos, se destaca Péqui. A melhor amiga de Marina, e também a pessoa mais fofa desse mundo. Ela talvez, tenha sido uma das únicas pessoas que apoiou a amiga desde o começo. Isso é que é amizade! Preciso de uma Péqui na minha vida *-*'

A Garota que Tinha Medo foi uma leitura incrível e eu fico muito feliz de ter sido uma das pessoas escolhidas para resenhá-lo. O único ponto negativo na minha opinião, foi o posicionamento religioso em excesso. Me incomodaram alguns trechos em que o autor fala demasiadamente da Igreja Católica, até mesmo historicamente. Parecia desconexo do texto, desnecessário mesmo. Não sou de nenhuma religião citada no livro e por isso não me senti ofendida, mas acho que como sugestão eu diria para o autor deixar fora do livro suas opiniões pessoais sobre o tema. 

Agradeço muito à Editora Schoba pela cortesia e em especial à Luciana do marketing, que foi uma fofa e me atendeu super bem, me dando atenção e inclusive, depois do envio, desejando que o livro me ajudasse com minha própria síndrome. Espero que esse livro possa ajudar outros como eu, que se sentem incompreendidos e às vezes sem esperança. Acredite, você pode se curar!

"Eu não me queixava de nada e me esforçava para dar o melhor de mim em tudo, inclusive nas coisas mais tolas do dia a dia. E esse esforço, hoje eu sei, me desgastava. Fui dando o que não tinha, porque eu me preocupava demais, até que um dia arrebentei por dentro e precisei de conserto." (p.8)

Sinopse: Diagnosticada com a síndrome do pânico, tudo o que Marina deseja é encontrar um lugar confortável neste mundo. Numa narrativa em primeira pessoa, detalhada e realista, Marina nos expõe sua vida amorosa e sexual, universitária e profissional, religiosa e familiar. Psiquiatras e psicólogos fazem os papéis de heróis neste livro tão impactante quanto revelador, que tem suas partes de amizade e amor ao próximo. Como não se emocionar com Péqui ou não se apegar ao veterano de guerra que cuida de Marina? A agorafobia é outro tema abordado de maneira tocante nestas memórias. Um drama original, escri- to em linguagem incrivelmente acessível, para quem deseja conhecer a síndrome do pânico, seus possíveis desdobramentos em nossas vidas e aqueles tratamentos mais famosos. Um romance moderníssimo, humano e esclarecedor.

"- Alguns sindrômicos, depois dos primeiros ataques de pânico, desenvolvem fobias. Isso acontece porque eles associam suas crises aos lugares ou situações em que elas aconteceram. Em melhores palavras, eles se tornam sensíveis a tais lugares ou situações. Mas a verdade é que as crises de pânico continuam imprevisíveis, exatamente como antes, podendo acontecer não importa onde, não importa quando." (p.154)


5 comentários:

  1. Eu não tenho síndrome do pânico, mas pelo que você escreveu eu tenho grandes chances de ter. Não existe pessoa mais ansiosa e estressada no mundo haha.
    Gosto muito quando os autores abordam doenças psicológicas, o livro No Escuro trata do TOC. É legal porque passamos a conhecer mais sobre aquela doença e principalmente a entender o que passa na cabeça da pessoa que o desenvolve.
    O livro parece muito bom - tirando a religiosidade em excesso -, ótima resenha =)

    Beeijos, Dreeh.
    Blog Mais que Livros

    ResponderExcluir
  2. Apesar de assim como você eu ser uma pessoa muito anciosa, isso não chega a ser uma sindrome do panico. Na verdade acho que eu nem leria um livro desse, mas nunca se sabe né. A sua resenha ficou ótima.
    beijos!!!
    seforasilva.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. O livro tem uma proposta bastante interessante. O mundo acaba colocando tanta pressão nas pessoas que as vezes é preciso "surtar" para depois encontrar o próprio ritmo e as próprias metas.
    Achei bem legal a identificação que ocorreu entre você e o livro.
    Muito obrigada pela visitar o meu blog :)
    Estava dando uma olhada na sua lojinha e você é muito talentosa, tudo muito fofo *-*

    ResponderExcluir
  4. Adorei a resenha, esse livro parece ser legal. As frases são bem legais fiquei curiosa em ler ele.
    Já estou seguindo seu blog.

    http://momentocrivelli.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oiee amiga =)
    primeiro, eu fico muito feliz com as conquistas que está tendo, e isso acontece por suas excelente resenhas e opinião sincera, por isso gosto tanto de vim aqui!!
    Sobre o livro, primeira vez que vejo e leio, e quanta coincidência são essas? rsrsr, gostei da proposta do livro e de sabe que ele passa lições de uma forma que podemos absorver e aprender, gostei.
    Beliscões carinhosos da Máh ♥
    Cantinho da Máh
    @Maaria_Silvana

    ResponderExcluir

Deixe sua sugestão, opinião ou crítica. Prometo lê-las com carinho. Mil beijos, Mari Siqueira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...