outubro 22, 2014

[Livros] Mar da Tranquilidade - Katja Millay

Título Original: The Sea Of Tranquility
Autor: Katja Millay
Editora: Arqueiro
Páginas: 368
Gênero: Romance, Ficção
País: EUA
ISBN: 9788580413250
Classificação★★★★★
_______________

Sem palavras. Foi assim que eu fiquei ao terminar de ler a última página de Mar da Tranquilidade. Espero que vocês não percebam a dificuldade que estou tendo para escrever essa resenha. Esse foi definitivamente o melhor livro que eu li esse ano e é extremamente desafiador falar de algo que nos afeta tanto. E olha que quem acompanha o blog sabe que esse tem sido um período de ótimas leituras, mas nada - NADA - se compara ao que eu senti ao ler Mar da Tranquilidade. Foi tudo, menos tranquilidade. A narrativa mexeu comigo de uma forma inexplicável e conquistou meu coração, esmigalhando-o e reconstruindo-o página após página, capítulo após capítulo.

O livro causou sensações parecidas com as que tive ao ler Um Caso Perdido de Coleen Hoover, mas o desfecho de Mar da Tranquilidade supera tudo o que eu já pude ler na vida. Katja Millay faz conexões e ligações invisíveis que tecem um final maravilhoso e com uma única frase, inclusive a última, tudo faz sentido. Enquanto isso, ao finalizar a leitura, na vida real, nada mais faz sentido. É perfeição demais, é um livro para não se esquecer. Nunca.

Seu romance de estreia é a prova de que a autora veio para ficar e seu talento é inegável. Alternando os pontos de vista dos dois protagonistas nós percebemos como Katja construiu personalidades tão complexas e distintas entre si. Não tem como confundir Josh e Nastya, seus medos, inseguranças e fantasmas solidificaram suas histórias e a autora consegue com maestria entrelaçar seus dramas e seus corações. A narrativa fala de dor - física, psicológica e emocional. Machuca a alma saber que apesar de ser uma obra de ficção, é tão cheia de realidade. A vida nem sempre é justa e, às vezes, chega a ser cruel. É preciso encontrar um motivo para continuar, um rumo para seguir e uma mão para segurar. 

Nastya é uma jovem devastada pela dor que se rebelou contra o mundo e contra si mesma. A autodestruição é a sua forma de lidar com o que restou dela. O mistério em torno do que causou tamanho estrago na garota toma grande parte do livro, mas não é - nem de longe - o ponto mais importante da narrativa. Seu processo de 'cura', ou seu recomeço é que é a questão. Nastya recebe a oportunidade de sair do buraco em que ela mesma se enterrou, mas ela está no fundo há tanto tempo, que o sol cega seus olhos. Por diversas vezes, ela prefere se encolher na escuridão a voltar a ser quem era. É de partir o coração.

Fugindo de seu passado, Nastya decide recomeçar sua vida longe de onde tudo aconteceu, ela se torna o oposto da felicidade. Sua alegria e seu sorriso desaparecem. Envolta em preto, negatividade, ódio e raiva ela se transforma em outra pessoa. Depois do incidente, ela não falou mais, com ninguém mais. Depois do que aconteceu, ela se recusa a dizer qualquer coisa, para qualquer um. Poucos se lembram da sua voz. Na nova escola, a maldade dos outros adolescentes pouco a incomoda, ela criou um escudo tão forte em torno de si, que nada pode abalá-la ainda mais. As coisas mudam quando ela observa de longe um garoto sentado sozinho, todos os dias no mesmo lugar. Ele a faz querer falar e desperta dentro dela algo que havia morrido há muito tempo.

Josh é um adolescente cercado por tragédias, toda a sua família morreu, cada um a seu tempo, de diferentes formas. Hoje, aos dezessete anos, ele não tem ninguém. Poucos querem ser amigos de alguém que atrai tanto a morte e por isso, ele só tem o seu melhor amigo Drew. Um playboy metido, galinha, arrogante, engraçado e popular, que apesar de se comportar como um babaca na maior parte do tempo, parece ter algum coração. Isso basta para Josh. Drew é tudo o que ele tem.

As vidas desses personagens problemáticos e tão incrivelmente complexos, são expostas para o leitor da forma mais sensível e comovente e em certo ponto, seus dramas se encontram. Eles precisam ser salvos de si mesmos e talvez a amizade, a esperança e o amor possam reconstruí-los. De início, a única coisa em comum entre os Nastya e Josh é a carpintaria, disciplina eletiva que eles cursam na escola, e que os distrai da confusão, os leva para longe dos problemas e os une. 

A arte da carpintaria é também uma metáfora presente na narrativa. Ela reforça a ideia de que algo feio (como um pedaço de madeira velha ou um móvel usado, desgastado pelo tempo) pode se tornar algo incrivelmente belo de novo. Josh conserta coisas, Nastya precisa de conserto. Ela afasta todos que a amam, enquanto tudo o que Josh deseja na vida é ter de volta aqueles que ele amava. No sentido literal da palavra, os protagonistas se completam. Sozinhos, eles eram sinfonias em desarranjo, juntos eles estão estão em sintonia. 

O silêncio proposital da protagonista queria dizer muita coisa. E o meu só quer dizer que eu não consigo colocar nas palavras nem metade do que senti lendo esse livro. Vou seguir o conselho de Nastya, afinal, nada do que eu possa dizer vai ser suficiente para fazer jus à obra e por isso me calo. Que o silêncio seja toda a tranquilidade e a paz que se pode desejar. O título do livro tem uma ligação íntima com o livro e que emociona. Cada detalhe importa, o silêncio, o título, a carpintaria, a raiva, o amor. Precisa ser lido, sentido, apreciado e entendido. A perfeição se esconde nas imperfeições e os silêncios preenchem corações.

" (...) - Feliz aniversário, Flor do Dia.
- Eu desejei que a minha mão ficasse boa de novo - digo quando ele entra no carro depois de mim. Foi meu primeiro desejo e o único que importa.
- Eu desejei que a minha mãe estivesse aqui hoje, o que é idiota, porque é um desejo impossível.
Ele dá de ombros e se vira para mim, disfarçando o sorriso que sempre me conquista.
- Não é idiota desejar ver sua mãe de novo.
- Nem é tanto que eu quisesse ver a minha mãe de novo - diz ele, me olhando com a profundidade de mais de 17 anos nos olhos. - Eu queria que ela visse você." (p. 208)

Sinopse: Nastya Kashnikov foi privada daquilo que mais amava e perdeu sua voz e a própria identidade. Agora, dois anos e meio depois, ela se muda para outra cidade, determinada a manter seu passado em segredo e a não deixar ninguém se aproximar. Mas seus planos vão por água abaixo quando encontra um garoto que parece tão antissocial quanto ela. É como se Josh Bennett tivesse um campo de força ao seu redor. Ninguém se aproxima dele, e isso faz com que Nastya fique intrigada, inexplicavelmente atraída por ele.

A história de Josh não é segredo para ninguém. Todas as pessoas que ele amou foram arrancadas prematuramente de sua vida. Agora, aos 17 anos, não restou ninguém. Quando o seu nome é sinônimo de morte, é natural que todos o deixem em paz. Todos menos seu melhor amigo e Nastya, que aos poucos vai se introduzindo em todos os aspectos de sua vida. À medida que a inegável atração entre os dois fica mais forte, Josh começa a questionar se algum dia descobrirá os segredos que Nastya esconde – ou se é isso mesmo que ele quer.

Eleito um dos melhores livros de 2013 pelo School Library Journal, Mar da Tranquilidade é uma história rica e intensa, construída de forma magistral. Seus personagens parecem saltar do papel e, assim como na vida, ninguém é o que aparenta à primeira vista. Um livro bonito e poético sobre companheirismo, amizade e o milagre das segundas chances.

"- Só para você saber - eu lhe informo -, um dia eu vou me cansar de dividir o seu afeto com aquela mesa de centro e vou obrigá-lo a escolher.
- Só para você saber - ele me imita -, eu cortaria aquela mesa em pedaços e a usaria como lenha antes de ter que escolher entre qualquer coisa e você." (p. 272)

13 comentários:

  1. Mais uma resenha quilométrica que me deixa louco para ler um livro! Simplesmente mágico. Me lembrou as suas resenhas do David Levithan onde você me deixou louco para ler seus livros. A-M-E-I.

    Muito obrigado, Mari!
    Vê se para de aumentar minha lista de livros.

    Luiz Henrique (Luke)
    instanteliteral.com
    Acesse meu blog clicando nesse link ao lado.

    ResponderExcluir
  2. Nossa Mari, tua resenha foi simplesmente linda! Não tenho palavras para descrever o quanto senti-me contagiada só ao lê-la. Já vi várias resenhas positivas sobre este livro, mas a tua sem dúvidas foi a melhor. Sério, nossa, to até arrepiada *-*
    Vou ter que ler esse livro urgentemente! Beijo, Jess!

    ResponderExcluir
  3. Ai Mari o que falar desse livro heim? Simplesmente amei... Aliás você já sabe o que senti por ele.
    Josh e Flor do dia não saem da minha cabeça!! Amei e Amei <3
    PARABÉNS pela resenha ficou demais mesmo.
    Beijos!
    Marília Lopes
    www.livrosesonhos.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Mari

    Como não largar tudo e correr para ler esse livro depois de uma resenha linda e maravilhosa como essa? Você me convenceu no primeiro parágrafo, quando percebi que você lutava para encontrar as palavras certas e escrever a resenha perfeita. Já me senti assim com um livro e é uma sensação indescritível. Como eu era antes de você foi minha leitura recente mais marcante e vou levar ele comigo para sempre.
    Esse livro já estava na minha lista de futuras leituras, agora ele passou para o topo e vou fazer o possível para ler o quanto antes.
    Eu quero esse livro!!!!!
    Parabéns pela resenha linda.

    Beijos
    http://mundo-de-papel1.blogspot.com.br/

    Obs: odeio o blogger por não ter publicado meu primeiro comentário super empolgado e mais legal que esse.

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bom?
    Primeiro, parabéns pela sua resenha. É tão bom quando um livro consegue nos emocionar e cativar dessa forma. A narrativa parece ser bem tocante. É a segunda resenha que leio desse livro e cada vez mais estou convencida a comprá-lo.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Emocionante sua resenha!!!
    Eu que fiquei assim sem saber o que falar agora, rs. Sério mesmo!
    Adorei!!!

    Ficou linda ♥

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Apesar de achar a capa desse livro muito legal, eu nunca tinha pensado em ler. Mas agora fiquei muito curiosa com sua resenha e fiquei morrendo de vontade de ler a história. :)

    Beijos
    Iris - literalmentefalando.com.br

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?
    Ótima resenha. Tão clara e completa que não deixa duvidas: vou ler o livro.

    Obrigado pela dica.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi Mari!
    Comecei a ler Mar de Tranquilidade e não consigo larga-lo. Infelizmente tenho outros compromissos que só a leitura, mas sempre que o largo para fazer qualquer outra coisa não consigo parar de pensar na continuação da história. Realmente a autora tem muito talento.

    Beijos!
    Books and Movies
    www.booksandmovies.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oláaa!!
    Eu já li uma resenha desse livro e de primeira eu já quis lê-lo. Mas olha, a sua resenha está um show viu? Depois dela só me despertou mais interesse para saber um pouco mais sobre a história!
    Parabéns :D
    Beijosss!!

    our-constellations.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Mari, li suas resenhas aos pedaços porque quero ir meio às cegas para a leitura desse livro. Pelo que você falou, já sei que vou me acabar todo lendo esse livro. Certamente, nossa opinião vai ser igual a de Todo Dia.

    Beijos,
    Juan Silva - http://asasliterarias.com/

    ResponderExcluir
  12. Mariana do céu!!!
    Que livro é este minha filha?!?!
    Parabéns por nos demonstrar e citar todos os sintomas que teve ao ler este livro, nem vou dizer que amei a sua resenha... Mas amei1kkkk
    Mari... que denso e completo esse livro!!! Creio que ainda não li nenhum livro deste nipe! Tua resenha me tirou todas as palavras para dizer o quanto quero ler este livro!!!! Espero que possa ao ler, gostar tanto quanto como você gostou...
    Beijos
    Ariana Silva
    http://ariabooks.blogspot.com.br/2014/10/livro-o-sumico-de-beatriz.html

    ResponderExcluir
  13. Quem ficou sem palavras fui eu depois do que acabei de ler......
    Nossa, que resenha!!!!!!! Que livro!!!!!!!! Eu amei essa metáfora da madeira, engraçado, eu já li um livro infantil com a mesma metáfora, com a mensagem de que tudo tem seu valor, sua serventia, que podemos enxergar o belo em peças velhas, encostadas em um canto. E que elas podem voltar a ser belas, se você as restaurar.
    Mari, você que acabou de pisar no meu coração, não tem como não querer ler esse livro!!!!!!!!
    Ah!!!!!!!! Fui pesquisar o livro Louco por você que me indicou e quando vi a capa, lembrei que já estava na minha lista depois de ter lido sua resenha!!!!!!! É que existem alguns livros com o nome parecido. Os da Colleen eu já tenho, falta é tempo para ler mesmo.
    Uma das melhores resenhas que já li, acho que você se supera a cada dia.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe sua sugestão, opinião ou crítica. Prometo lê-las com carinho. Mil beijos, Mari Siqueira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...