setembro 10, 2015

[Livros] A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard (A Rainha Vermelha #1)

Título Original: Red Queen
Autor: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 424
Gênero: Distopia, YA, Ficção, Fantasia
País: EUA
ISBN: 9788565765695
Classificação★★★★★
_______________

A Rainha Vermelha é, sem dúvida, uma leitura memorável. Victoria Aveyard reúne os melhores elementos de várias outras distopias e as costura com maestria numa trama intrincada e inteligente. Com uma forte critica à sociedade, aos valores e às relações estabelecidas pelo poder, essa mistura de distopia e fantasia traz um retrato futurístico e surreal do que a humanidade, de fato, poderia ser. Poderes especiais, intrigas políticas e uma verdade absoluta: nem todo mundo é o que parece ser

A premissa de quase todas as distopias é a mesma: uma sociedade pós-apocalíptica que vive sob um governo ditatorial. O diferencial é que o poder está nas mãos de quem é, literalmente, poderoso. As pessoas que possuem habilidades especiais são consideradas superiores e comandam a nação, eles são como deuses. A metáfora é clara, óbvia e talvez por isso, tão fantástica. 

A divisão é feita pela cor do sangue: prateado ou vermelho. Os que possuem sangue prateado possuem poderes, são especiais e "superiores", enquanto que os de sangue vermelho são considerados escravos, fracos, "inferiores". Os poderes dos prateados variam muito e vão desde a manipulação de elementos até habilidades psíquicas. Sua força é exibida sempre que possível, para que os vermelhos nunca esqueçam que são fracos e submissos.

Mare Barrow vem de uma família de vermelhos. Todos são humildes, trabalhadores e vivem no limite da pobreza. Sem uma profissão, Mare se prepara para seu destino certo: se tornar soldado. O país envia milhares de vermelhos todos os dias para lutar, morrer e defender o que é dos prateados. Com medo do que a aguarda, a garota decide fugir de seu destino. E é quando as coisas começam a mudar.

Seu melhor amigo Kilorn também será enviado para o exército e com medo de perdê-lo, Mare decide pedir ajuda a um contrabandista. Em troca de sua "liberdade", o negociador pede uma alta quantia em dinheiro e enquanto tenta roubar o valor necessário, a garota se vê em uma situação desesperadora. Por acaso, a jovem conhece um rapaz que poderá mudar sua vida para sempre. 

Do dia para a noite, Mare é convocada para servir ao palácio do rei. Não é algo que Mare quisesse fazer, mas quando a outra opção é a morte, aceita-se qualquer coisa. Enquanto serve os esnobes e egocêntricos convidados do rei, um acidente revela que ela possui poderes tão - ou mais - extraordinários que os dos prateados. Começa então, um jogo político que tenta esconder seu sangue, sua ideologia e seu poder.

A Rainha Vermelha é o primeiro volume de uma trilogia que promete conquistar muitos leitores. Com adrenalina, emoção, fúria e uma pitada (bastante insignificante) de romance é uma daquelas leituras que cativam. Não consegui eleger um personagem favorito (dentre os protagonistas). Não há uma conexão muito profunda com nenhum deles e muito menos com a protagonista. Os príncipes Cal e Maven são misteriosos e encantadores - até certo ponto, e Kilorn é reservado demais, apesar de corajoso. O quadrado amoroso entre esses personagens não é interessante e talvez este seja o único ponto negativo da obra. Temos três caras lindos e incríveis que se interessam por uma garota irritante e insuportável que só pensa em liderar uma revolução. Qualquer semelhança com 'A Seleção' de Kiera Cass e 'Jogos Vorazes' de Suzane Collins é mera coincidência.

Eu poderia escrever muito sobre esta história, mas não seria suficiente para transmitir o quanto essa história me fez pensar. O livro de Victoria Aveyard é uma enorme colcha de retalhos. São várias histórias e referências misturadas de forma brilhante e, apesar, de serem inspiradas em outros livros, a autora conseguiu com que tudo isso, de uma forma única, fizesse sentido. Em tempos difíceis para nós, que também temos sangue vermelho, distopias como esta, instigam, questionam, invocam o espírito de uma revolução, mesmo que apenas em nossas próprias mentes.

"Há muito tempo ele nos chamou de formigas, formigas vermelhas ardendo sob a luz de um sol prateado. Destruídas pela grandeza dos outros, quase derrotadas na batalha pelo nosso direito de existir, porque não somos especiais." (p. 55)

Sinopse: Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?

Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração.

"- A revolução precisa de uma faísca para começar - sussurro, repetindo o que Julian diria nas aulas. Até faíscas queimam." (p. 209)


15 comentários:

  1. Oi, tudo bem?
    eu estou meio em duvida se leio ou não esse livro, porque tenho visto resenhas que dizem que não tem nada de novo nessa história e que parece uma junção de várias outras histórias... Acho que terei que pagar pra ver :|

    ResponderExcluir
  2. tenho lido muitas resenhas deste livro e confesso que inicialmente tinha uma outra visão dele que de cara me fez repudiá-lo... só que agora eu quero muito lê-lo, não só pelos seus elogios, mas também porque percebi que a trama tem um poder de evolução e conquista muito forte!
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Nós pensamos igual em algumas partes, a única diferença é que eu gostei da protagonista. Pensei que ela seria mais irritante e indecisa mas no fim ela foi meio a meio. A escritora conseguiu chegar num meio termo. E nada de triângulo amoroso cheio de mimimi. Teve muita ação! Uhuul! rsrs

    ResponderExcluir
  4. Para ser sincera, ainda não sei se gostei ou não, desse livro. SOS

    ResponderExcluir
  5. Eu ganhei este livro e já queria mto ler, agora que li sua resenha acho que vou passar ele a frente na minha lista.
    Eu adorei a questão da cor do sangue representar tipo "a casta" de cada pessoa e que uma que é considerada de uma classe inferior descobrir poder que só tem os da classe superior...
    Eu adoro distopia e a protagonista parece ótima.
    A guerra tb é um elemento que me agrada...
    enfim, eu adorei e que morram os de sangue prateados (os ruins, claro, hahahahhaa).

    ResponderExcluir
  6. A rainha vermelha é um livro que tenho adicionado em minha lista de desejados e que tenho um enorme desejo de ler, pois a cada comentário que vejo só aumenta minha vontade.
    Fiquei bastante curiosa em saber sobre essa divisão de classes pela cor do sangue, e como será a vida de Mare depois que descobriu que possui poderes mesmo sendo de sangue vermelho e o que fará para esconder isso.
    Adorei a resenha. Encantadora!
    Abçs Mari!!

    ResponderExcluir
  7. Estou DOIDO para ler esse livro, do tanto de críticas positivas que já li dele. Cheio de aventura, mistérios, intrigas e muita distopia, do jeito que eu gosto, e ainda com clima de realeza. A protagonista parece ser perfeita, assim como outros personagens.
    Estou louco para ler, abraços ^^

    ResponderExcluir
  8. Eu amo distopias, sou completamente fascinada pela forma velada com que as críticas sociais se apresentam no gênero. Pelo que eu pude perceber, esse é o ponto forte neste título também. Além disso, muito me agrada as várias e variadas referências que a autora consegue conciliar no decorrer do livro, acredito que elas só enriqueçam a história. A protagonista me pareceu bastante forte e destemida, e o fato do romance não ter suplantado o foco distópico na história é bastante positivo a meu ver.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Mari!

    Estou querendo muito ler esse livro. A Iza resenhou ele no blog e me emprestou, mas acabou que estou esperando uma oportunidade de começar a leitura. A nossa lista de livros a ler nunca termina, né? Hahaha

    Mas desde que li a sinopse tinha achado a ideia muito interessante. O ser humano parece ter essa necessidade de se sentir superior a outro ser humano. Tenho certeza que irei gostar muito da leitura pela sua resenha, embora eu tenha problemas com esses triângulos/quadrados/ou seja o que for românticos... Hahahaha

    Bjs

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Mari, incrível como todo mundo que lê esse livro se apaixona. Ainda não me rendi, por mais que a Dany me infernize para ler. Não sei bem o motivo, mas fiz o mesmo com A Seleção, para depois cair de amores.. kkk Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  11. Olá Mari, tudo bem??Primeira resenha que leio e confesso que amo distopias, mas esta me chamou demais a atenção, por sua sinopse e por sua linda capa. Apesar de estar evitando trilogias e séries, antes de finalizar as que ainda não terminei, esta será uma exceção. Adorei sua resenha, me deixou cheia de curiosidade para conferir esta aventura! Beijoooo

    ResponderExcluir
  12. eu havia lido uma resenha sobre "rainha vermelha" e eu to me perguntando o que tinha na outra resenha que me fez não gostar do livro. porque para tudo. eu estou de boca aberta desde o momento que eu terminei de ler sua resenha.
    não imaginava, de jeito nenhum, toda essa história maravilhosa. fiquei chocada quando Mare descobre que tem poderes. sem contar que eu também gostei do diferencial: o poder na mão dos poderosos que pareceram não ser nada bonzinhos. eu queria que fossem, mas, enfim. eu gostei demais da história e eu já quero ler. ainda mais agora q descobri q tem continuação.
    espero gostar do livro tanto quanto gostei da sua resenha.

    beijos

    ResponderExcluir
  13. É o livro parece perfeitos de todos os angulos, só via pessoas falando mega bem desse livro. E me rendo a está tentação, de comprar o livro.

    Bem todo esse ciclo, de poderoso e fraco, me deixou curiosa, principalmente com o acontecimento principal.

    ResponderExcluir
  14. Olá, Mari. A Rainha Vermelha é um dos livros que está no topo da minha lista de desejados. Estou bastante curioso para conhecer essa estória e como a autora escreve sobre a divisão de poderes, ou melhor dizendo de sangues. Quero reconhecer também na estória essa "colcha de retalhos".

    ResponderExcluir
  15. Para começar, como não se apaixonar pela capa desse livro? Com esses detalhes magníficos, confesso que inicialmente queria esse livro somente pela capa linda, nem me interessava muito a sinopse, mas ai depois comecei a ler comentários super positivos sobre o livro, inclusive os seus nessa resenha e sabia que precisava urgentemente desse livro, mas ainda não consegui comprar, mas está em minha lista de leituras, quero ler em breve.

    ResponderExcluir

Deixe sua sugestão, opinião ou crítica. Prometo lê-las com carinho. Mil beijos, Mari Siqueira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...