julho 11, 2016

[Livros] Amor À Moda Antiga - Fabrício Carpinejar

Título Original: Amor À Moda Antiga
Autor: Fabrício Carpinejar
Editora: Belas-Letras
Páginas: 104
Gênero: Poesia, Pensamentos
País: Brasil
ISBN: 9788581742861
Classificação: ★★★★★
_______________

Por ser admiradora do trabalho de Fabrício Carpinejar há muito tempo, amar Amor À Moda Antiga não foi nenhuma surpresa. O que me surpreendeu foi a linda diagramação - ou falta dela - permitindo que o livro fosse publicado a partir dos escritos crus de Carpinejar. Não há revisão, não há métrica, não há padrão. O autor escreve com liberdade e traz uma poesia moderna que não se submete à nenhum obstáculo ou técnica, bem como o amor.

Desde pequena valorizava a poesia romântica que não seguia os padrões clássicos. Antes eu não entendia o motivo, mas quando percebi a magia da imagem que o próprio texto transmite, tudo fez sentido. É como se a própria estrutura da poesia fosse livre e isso é ainda mais lindo quando se fala de amor. 

Fabrício Carpinejar, com seus textos que mais parecem fragmentos de pensamentos, nos convida a sentir. Sem medo de errar, cada um dos seus versos foi digitado à máquina, literalmente à moda antiga, e publicado deste mesmo jeito. O diferencial da escrita do autor é justamente a simplicidade e o intimismo de suas poesias, como se fossem trechos de um diário. Também não há diferenciação entre maiúsculas e minúsculas, o que causa um efeito de continuidade. É como se os pontos finais não significassem um fim ou como se os começos não fossem assim tão importantes.

Um livro encantador, Amor À Moda Antiga mistura o moderno e o tradicional de uma maneira sutil. É como contar uma mesma história de uma nova maneira e é exatamente isso o que Carpinejar faz. Livre para transformar cada linha em algo novo, o autor dá asas às borboletas que antes ficavam no estômago e faz com que elas voem alto. Tão alto que ultrapassam os limites da nossa visão, os limites da poesia.

"qualquer distância é despedida.
qualquer distância é derradeira.
as crianças são mais
sinceras e sábias.
ir é não voltar do mesmo jeito.
ir é imprevisível." (p. 17)

Sinopse: Em seu aniversário de 43 anos, Fabrício Carpinejar ganhou de presente uma velha máquina de escrever Olivetti Lettera 82 verde-esmeralda. Desde esse dia, ele se dedica a escrever nela poemas de amor e a guardá-los como um inventário de seus sentimentos e emoções ao longo de sua carreira. Pela primeira vez, a Belas-Letras publica esses poemas exatamente como os originais foram enviados à editora, em maços de papel despachados pelos Correios, sem nenhum tipo de correção ortográfica, edição ou retoques, inclusive com as próprias anotações à mão feitas pelo próprio Carpinejar. Todos os textos de Amor à Moda Antiga foram originalmente escritos em máquina de escrever. O resultado é um livro orgânico, singelo e apaixonadamente imperfeito, exatamente como o amor é.

"quando nem brigar faz efeito,
nem preparar as malas assusta,
nem a ferida é chantagem,
o meu sangue será apenas esmalte
para você pintar as unhas
e ficar bonita ao seu próprio namorado." (p. 81)


Um comentário:

  1. Oii Mariana, tudo bem?
    Confesso que não sou muito fã de poesias, mas a sua resenha chamou a minha atenção! Gosto da sua relação com as obras do autor, são poucos os livros que nos ganham dessa forma, ensinam, criam um verdadeiro laço.
    Pelas suas palavras vou dar uma chance a obra!
    Parabéns pela resenha!

    Beijos,
    Ana | Blog Entre Páginas
    www.entrepaginas.com.br

    ResponderExcluir

Deixe sua sugestão, opinião ou crítica. Prometo lê-las com carinho. Mil beijos, Mari Siqueira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...