fevereiro 10, 2015

[Séries] Felizes Para Sempre?


Oi queridos! Hoje eu vim falar um pouquinho sobre uma minissérie que eu acompanhei recentemente na televisão aberta: Felizes Para Sempre. Releitura de Quem Ama Não Mata de 1982, Felizes Para Sempre fala sobre amor, desamor, traição, sexo, corrupção e ciúme. Os temas tão polêmicos quanto fortes, traçam um paralelo com Brasília. O motivo é óbvio, o Distrito Federal está diretamente ligado à corrupção que movimenta nosso país. Inspirada  no polêmico e midiático assassinato de Ângela Diniz, a obra vai levar o telespectador a questionar seus valores, seus desejos e seus próprios limites.


Centro do poder político brasileiro, Brasília é utilizada como pano de fundo para todas as tramas da série. A abertura inclusive, mostra a obra arquitetônica de Niemeyer: maravilhosa de longe e podre por dentro. Em meio a corrupção parlamentar, escândalos de doleiros e todo o tipo de falcatrua verídica, temos histórias fictícias que poderiam muito bem ser verdade. Casos de amor que, de longe parecem intactos, mas de perto foram pulverizados, como o caráter do homem.

No primeiro capítulo, somos apresentados à família de Norma e Dionísio, um casal invejável (aparentemente) que tem três filhos. Numa comemoração descontraída eles até parecem ser um modelo de família a seguir. Com o passar do tempo e dos episódios, vamos percebendo o que existe por trás da faixada de perfeição: casais fracassados e infelizes que fazem o possível para salvar seus casamentos. 


Claudio e Marília são infelizes, não se entendem na cama e não saciam mais um ao outro. Após a perda do filho em um acidente lamentável, os dois não conseguiram se recuperar e o que sentiam morreu, junto com a criança que eles tiveram. Buscando salvar seu casamento, a restauradora Marília procura a terapia de casal e eles chegam a conclusão de que precisam apimentar um pouco o sexo. Eles contratam então, uma garota de programa chamada Dany Bond para fazer um menáge à trois. No decorrer da série, vemos que o problema entre eles nunca foi o sexo, mas todo o restante. Claudio é um canalha egocêntrico e corrupto, enquanto que a sonsa Marília nem desconfia que dorme com um homem perigoso. Enrique Diaz está incrível no papel do protagonista, eu ri muito com sua cara de pau.


Tânia e Hugo são um casal ainda mais comum. Um ama mais que o outro. Em qualquer relação o desequilíbrio entre os sentimentos é perigoso. Amar demais ou de menos, ser pouco amado ou mais amado do que se pode ser. Hugo é um alcoólatra, apesar do vício é de longe, o personagem mais íntegro da série. Apaixonado pela mulher, ele faria de tudo por Tânia. O contrário, porém, não é bem verdade. Os dois têm um filho, Junior, um garoto revoltado que se envolve na onda de protestos contra a corrupção no Brasil.

Junior se envolve com Mayra, uma mulher revolucionária que também não se conforma com o Brasil corrupto em que vivemos. Mayra é mais velha que Junior e a paixão dos dois acaba não agradando ao restante da família. A personalidade do garoto é bem inconstante, algumas vezes, ele é extremamente inteligente e sensato, em outras é um debiloide revoltado. Alterações típicas de um adolescente.


Joel é o terceiro filho do casal. Filho adotivo, ele sempre se sentiu excluído e rejeitado. Joel é casado com Susana, mas anuncia o divórcio para a família, como se essa fosse a coisa mais normal do mundo. A primeira vista, Joel foi o meu personagem favorito, mas com o tempo vamos percebendo que ele é a personificação do brasileiro, um cara que quer se dar bem. Independente do que isso custe. A separação entre ele e Susana parece ter sido de comum acordo, mas ao descobrir que a mulher já encontrou outra pessoa, Joel desiste de facilitar as coisas e se torna um cara violento e abusivo.


Dany Bond é uma garota de programa de luxo. Interpretada pela brilhante e linda Paolla Oliveira, a personagem é tudo o que um homem pode desejar: peito, bunda, boca e sedução. O que ninguém sabe, no entanto, é que Dany esconde muitos segredos e que na sua profissão, mentir é uma necessidade e o amor é um luxo ao qual não se pode ceder. Com sua beleza e inteligência, ela faz homens e mulheres se apaixonarem por ela para depois levá-los à loucura, à miséria ou à morte. O que acontecer primeiro. 

O casal 'modelo', Norma e Dionísio, se mostra na verdade, um casal de idosos que é tentado à traição depois de décadas de uma união fiel e estável. Perceber que após anos de integridade e amor, o relacionamento deles começa a oscilar é triste e por mais que isso seja comum, é sempre ruim ver algo bonito se transformar em pó.


Em meio às evidentes falhas de caráter que todos (todos mesmo) os personagens possuem, somos conduzidos por uma trama complexa e intrincada. A perfeição não existe, mas e o amor? O amor, ou a falta dele, é o tema central da minissérie e  daí surgiu o questionamento: Quem ama mata? Quais os limites do verdadeiro amor? Há uma linha tênue entre ciúme e obsessão? Somos todos imperfeitos e nossas escolhas refletem diretamente em nossas jornadas. 

A minissérie foi ao ar nas últimas duas semanas (fevereiro de 2015), mas você pode conferir os episódios na íntegra pelo Youtube. Vale muito a pena, até porque é uma experiência. Faz refletir sobre nossos próprios relacionamentos, sobre nosso país e sobre as escolhas que fazemos. Um excelente roteiro aliado a uma espetacular fotografia trouxeram às telas dos televisores uma história que de tão real poderia ser verídica e que mostra o quão imperfeito é o ser humano.


7 comentários:

  1. Nossa, faz tempo que não me interesso por nada na TV aberta! Nem vi falar dessa minissérie. Mas esse seu jeito de colocar as coisas me fez querer assistir, vou procurar no Youtube ;)

    xoxo
    http://www.amigadaleitora.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bom? Assisti somente um episódio aleatório da série, na verdade, uma parte só, em que aparecia a Paloma. Até que me atraiu, mas não o suficiente pra me fazer assistir. Gostei da tua avaliação sobre a minissérie, ficou tudo bem claro para mim.
    Ao meu ver, é uma das melhores minisséries brasileiras, mas ainda assim... Enfim... ótima resenha! Beijo,
    http://entreeleitores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu assisti a série capítulo por capítulo e amei a trama! Uma das melhores séries que a Globo já exibiu. Que continue assim :)
    whoosthatgirrl.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Mari, tudo bem?
    Fazia tanto tempo que não via uma boa minissérie na globo que acabei não me animando para assistir essa!
    Mas pelo que vejo em seu post, a trama parece ser bem desenvolvida e a história é bem interessante.
    Quando eu tiver um tempinho vou tentar assistir pelo you tube!

    Beijo :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi Mari!

    Eu assistir os dois primeiro dias - eu acho. Não estava muito afim de assistir por isso não levei a diante, mas pelo que vi no início foi uma obra muito legal e espero terminá-la - hahahhaa.
    Sua resenha sobre a série esta ótima e me deu um paralelo que não tinha parado para pensar a respeito. Nosso país é muito podre mesmo. A politica cada vez nos afunda um tanto mais e sinceramente não sei onde vamos parar

    Beijos Fê
    http://www.amorliterario.com

    ResponderExcluir
  6. Oiee

    Apesar de não gostar de série eu tenho vontade de ler este livro mesmo ele sendo enorme , os elogios são tantos que estou quase me rendendo.

    Beijos

    www.livrosechocolatequente.com.br

    ResponderExcluir
  7. Acho incrível quando a TV brasileira consegue produzir uma série tão brilhante como aconteceu com "Felizes para Sempre?" e nos últimos anos isso está se tornando cada vez mais recorrente nas produções da Globo. Esse caso específico foi um espetáculo a parte, em especial pelo enredo e pelas atuações - que dificilmente serão esquecidas -, por isso não apenas recomendo como pretendo assistir novamente em breve. :D

    Beijos, Mari!
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir

Deixe sua sugestão, opinião ou crítica. Prometo lê-las com carinho. Mil beijos, Mari Siqueira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...