julho 25, 2014

[Livros] O Menino dos Fantoches de Varsóvia - Eva Weaver

Título Original: The Puppet Boy Of Warsaw
Autor: Eva Weaver
Editora: Novo Conceito
Páginas: 400
Gênero: Romance, Ficção
País: Inglaterra
ISBN: 9788581634173
Classificação★★★★★
_______________

Tocante, intenso e muito bem escrito. Eva Weaver fez um excelente trabalho de pesquisa para a produção de O Menino dos Fantoches de Varsóvia. De uma perspectiva diferente das que estamos acostumados a ver, o livro fala sobre a Segunda Guerra Mundial. Só que desta vez, a história não é ambientada na Alemanha nazista, mas sim na Polônia, que foi devastada pelas tropas alemãs e teve sua população de judeus praticamente dizimada.

Narrado em primeira pessoa por um judeu, o livro muitas vezes encheu meus olhos de lágrimas. Foi como testemunhar de perto as atrocidades que o ser humano é capaz de fazer. Por outro lado, Eva Weaver trouxe uma bonita mensagem e mostrou que nos tempos mais difíceis, nem sempre só de pão vive o homem. A esperança também alimenta, nem que seja a alma.

Em 2009, Mika é um senhor de idade que guarda dentro de si muitos segredos. Segredos do que ele viveu e do que passou por ser judeu em solo nazista. Certo dia, num passeio com o neto Daniel, ele vê o anúncio de um espetáculo de fantoches. O cartaz em letras maiúsculas, o leva de volta à memórias do passado que ele tanto tentou esquecer. Seu neto se torna seu confidente e Mika narra para ele sua dura jornada em busca da sobrevivência.

Na Polônia, em 1941, o jovem Mika vive com a mãe e o seu querido avô. Preocupado com a guerra que estava por vir, seu avô, a quem ele chama de Tatus, pede a um alfaiate que confeccione um casaco cheio de bolsos escondidos. Assim, se ele for mandado para algum lugar, poderá ao menos levar consigo seus objetos mais valiosos.

Por defender uma moça judia, Tatus é assassinado por um oficial alemão. Mika fica então com seu precioso casaco e os segredos que se escondem nele. Sentindo a falta do avô, o garoto se refugia no pesado sobretudo e dia após dia vai descobrindo um novo esconderijo e um novo objeto oculto em seus bolsos. É quando ele encontra um fantoche, este, é só o primeiro de muitos personagens de papel machê que seu avô mantinha em segredo.

Em tempos difíceis e repletos de solidão, dor, fome, desesperança e medo, a companhia dos fantoches faz com que Mika se ocupe e consiga se distrair do que acontece ao seu redor. Quando ele e sua mãe são mandados ao gueto e confinados atrás de muros e cercas como se fossem animais, ele faz novos amigos e descobre que seus fantoches podem ajudar outras pessoas a continuar lutando por suas vidas. Além disso, seu casaco também pode abrigar muitos segredos.

Uma amiga em especial, Ellie, o ajudou nessa jornada. Entretendo crianças e adultos, doentes e desiludidos, por vezes, a distração os fazia sorrir. E por alguns minutos eles esqueciam o inferno que suas vidas tinha se tornado. Mika se torna então 'o menino dos fantoches' e se torna conhecido pelo gueto. 

Algum tempo depois, num impulso como o de seu avô, de proteger uma moça dos oficiais nazistas, seus fantoches são descobertos. Max, um soldado alemão ao ver a habilidade do rapaz com a manipulação dos bonecos, ordena que ele entretenha também seus oficiais. Vivendo uma vida dupla, o garoto é obrigado a fazer tanto os judeus, quanto os ratos que tiram a vida deles - a sorrir. Quando começa a questionar suas próprias atitudes, ele encontra uma maneira de ajudar algumas poucas crianças órfãs a saírem do gueto. É quando ele começa a entender o poder que seus fantoches e seu casaco têm. Poder esse, que não teria valor algum sem a coragem de Mika.

Dividido em duas partes principais, o livro traz diferentes pontos de vista. Além da história de Mika, a autora também conta a história de Max, um dos muitos soldados que esqueceram da sua humanidade ao cumprir as ordens do Führer. Trazendo muitas reflexões sobre a capacidade do ser humano de sobreviver e de esquecer. Bonito e emocionante. Não é uma leitura leve, mas é uma leitura essencial para entender a história e o ser humano.

"(...) - Sempre penso no que o poeta Leopold Staff dizia: 'Mais do que pão, a poesia é necessária em épocas em que não há nenhuma necessidade de ouvi-la'. Sei que é difícil lembrar disso quando estamos com fome o tempo todo, mas não podemos nos esquecer do poder da música, e dos seus fantoches.
- Sim, mas não podemos comer música, nem os fantoches. Que utilidade eles têm no meio de tanta adversidade?
Ele olhou para mim com olhos penetrantes, mas colocou gentilmente sua mão quente sobre o meu ombro.
- Meu caro rapaz, se pessoas como você não existissem, os alemães já teriam vencido, já teriam nos destruído nos lugares que realmente importam. - Ele apontou para seu peito, seu coração." (p. 82)

Sinopse: Mesmo diante de uma vida extremamente difícil, há esperança. E às vezes essa esperança vem na forma de um garotinho, armado com uma trupe de marionetes – um príncipe, uma menina, um bobo da corte, um crocodilo... O avô de Mika morreu no gueto de Varsóvia, e o menino herdou não apenas o seu grande casaco, mas também um tesouro cheio de segredos. Em um bolso meio escondido, ele encontra uma cabeça de papel machê, um retalho... o príncipe. E um teatro de marionetes seria uma maneira incrível de alegrar o primo que acabou de perder o pai, o menininho que está doente, os vizinhos que moram em um quartinho apertado. Logo o gueto inteiro só fala do mestre das marionetes – até chegar o dia em que Mika é parado por um oficial alemão e empurrado para uma vida obscura. Esta é uma história sobre sobrevivência. Uma jornada épica, que atravessa continentes e gerações, de Varsóvia à Sibéria, e duas vidas que se entrelaçam em meio ao caos da guerra. Porque mesmo em tempo de guerra existe esperança.

"... Talvez você não sinta nada nesse seu corpo pequeno de papel machê, mas... sabe de uma coisa? para mim, a esperança é algo muito mais perigoso que o desespero. Ela me devora por dentro como aquelas feridas infeccionadas que nunca saram nesse frio maldito. Preciso parar de ter esperança, de imaginar que vou voltar para casa." (p. 265)

18 comentários:

  1. Oi Mari! Eu já tinha ouvido falar muito bem desse livro, já até está na minha listinha de leitura...
    Provavelmente eu choraria litros lendo ele, pois já fiquei toda arrepiada e "chorosa" só de ler a resenha. O livro parece ter um enredo bem interessante e a forma de escrita parece ser bem simples, o que sempre nos facilita a leitura (e me chama muito a atenção, rs). Beijo Jessica Garcia/ entreeleitores.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. tipo eu não me interesso por esse livro, mas a história é bem interessante.

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  3. Oi Mari, tudo bem?
    Amei a resenha! Estou querendo muito ler esse livro! Me interessei por ele assim que a Novo Conceito anunciou o lançamento. Sempre me emociono com histórias sobre a segunda guerra mundial e essa história parece ser muito emocionante, assim como algumas que já li sobre esse tema.
    Além do mais a capa está muito linda e já li algumas resenhas muito positivas sobre o tema.
    Espero adquirir o livro em breve e gostar tanto quanto você :D

    Beijão :*

    ResponderExcluir
  4. Oi Mari, que resenha linda e me deixou com vontade de ler esse livro o quanto antes.
    Gosto muito de histórias ambientadas na Segunda Guerra. São tristes, tocantes, dramáticas e cheias de lições.
    Esse livro está na minha lista de leituras urgentes ainda mais agora depois de ler sua resenha. Espero gostar tanto quanto você.

    Beijos
    Mundo de Papel

    ResponderExcluir
  5. Uau! O livro parece daqueles pesados, que fazem chorar muito, mas que valem cada minuto e que ficam gravados para sempre na memória.
    Amei sua resenha.

    ;*

    http://espeloteadaepatricinha.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Mariana!
    Sempre tive um pé atrás com livros que retratam momentos de guerra. Principalmente, com os horrores praticados com mulheres e crianças.
    Mas aí, li o livro A Menina que Roubava Livros, também assisti ao filme e comecei a
    mudar minha maneira de enxergar os fatos. Afinal, são fatos e isso não podemos negar e muito menos mudar.
    Então, resolvi ir a fundo, ler e conhecer mais da história das guerras.
    E hoje, eu só posso dizer: ah, como eu tenho aprendido!!!
    E aí está mais um livro que já entrou para a minha lista de leitura!
    A história tem tudo para ser emocionante e me ensinar mais um pouco!!!
    Parabéns pela resenha!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Que resenha linda!! Fiquei muito interessada no livro, me deixou com muita vontade de ler e conhecer mais sobre Mika e seus fantoches. Tenho certeza que vou chorar muito!!
    Beios!!

    ResponderExcluir
  8. Oieee
    Eu sempre evito livros narrados pelos olhos de uma criança mas abriria uma
    exceção para esse sem problemas,é meio difícil não se sentir emocionada ao
    ler algo assim,ainda mais eu que sou super sentimentalista.
    A hora que botei meus olhos nesse livro ele me fez lembrar do menino do pijama listrado,mas analisando melhor é diferente.Mas vale muito a pena a leitura.
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Tenho esse livro, ainda não fiz a leitura, mas depois dessa resenha vejo que devo fazer o quanto antes, a autora soube usar algo que muito nos fascina, os fantoches, para contar uma história que conhecemos e que foi uma das maiores atrocidades cometidas pelo homem, é o tipo de livro que depois de concluir a leitura nos modifica um pouco, nos leva a refletir sobre o passado e o que aconteceu de fato durante a Guerra, mostra que em tempos de dificuldade pequenas atitudes são capazes de mudar tudo, quero conhecer os segredos do casado de Tatus e toda a jornada enfrentada por Mika.

    ResponderExcluir
  10. Oi! Já tinha visto esse livro, me encantei pela sinopse, algo diferente e que promete fortes emoções. Gosto de histórias que se baseiam em algo real e fiquei morrendo de vontade de lê-lo quando soube que passava na época da Segunda Guerra Mundial, algo que choca ainda muitas pessoas por causa da brutalidade e barbaridade que eram feitas. Vou coloca-lo na minha listinha.

    ResponderExcluir
  11. Oi Mari, desdo lançamento do livro que eu estou de olho nele, principalmente pela capa e a sinopse. Sua resenha e muitas outras que li em outros blogs, só aumentaram a minha curiosidade em relação ao livro, que parece ser fantástico. Livros que se passam durante algum fato real, acaba se tornando um dos meus favoritos.
    Beijos.
    http://marcasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Mari.
    Esse livro parece ser bem tocante e denso.
    Adoro livros que falam sobre esse período histórico. As histórias são tristes e por isso nós faz refletir sobre algumas coisas importantes na vida.
    Dessa mesma temática li A menina que roubava livros, Vida em tons de cinza e O menino do pijama listrado.
    Espero poder ler O Menino dos Fantoches de Varsóvia em breve.

    ResponderExcluir
  13. Nossa. esse livro parece ser emocionante, eu adorei a resenha, confesso que não sentia muito interesse nele, mas saber que se passa na Polônia durante A Segunda Guerra Mundial, me chamou muita atenção, pois eu quero muito ler um livro que se passe nesse período e esse livro pelo visto é uma boa dica.
    Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  14. Se só com a resenha eu já me apaixonei pelo livro, imagino lendo a obra. Sua resenha ficou super completa e me cativou. Esse livro parece ser maravilhoso.
    Eu adoro livros ambientados na segunda guerra e, pela forma que o livro parece ter sido descrito, deixa-o bem emocionante. Quero ler!

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de julho

    ResponderExcluir
  15. Eu tenho o livro mas ainda não deu para lê-lo =/
    Mas está na filinha, é claro. Gosto da temática, é algo que sempre emociona.
    E tem momentos certos para ler também... para aproveitar o melhor que a leitura oferece.

    ResponderExcluir
  16. Olá Mari, tudo bem??
    Fiquei ainda mais interessada,desde o lançamento confesso que a hisotria dele passou "batido" mas depois de começou a aparecer as resenhas sua historia foi me interessando e esta tua resenha somente me fez ficar ainda mais animada e louca para ter esta linda historia na minha estante.
    Beijo!!

    ResponderExcluir
  17. Aprecio muito a temática desse livro, por isso estou interessado nele desde o seu lançamento. Parte desse interesse é porque, apesar de gostar de livros que se passam na Alemanha nazista, um dos melhores livros que já li, "A Vida em Tons de Cinza", tem um cenário diferente e isso dá uma visão muito particular dessa época monstruosa da nossa história.
    No caso desse livro, acredito que as características da narrativa favorecem o envolvimento por parte do leitor. Pelo menos é o que eu espero ao iniciar a leitura, mesmo sabendo que se trata de uma história tocante.

    Beijos,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir
  18. Essa capa me lembra tanto O Menino do Pijama Listrado que dá vontade de ler só por isso!
    whoosthatgirrl.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe sua sugestão, opinião ou crítica. Prometo lê-las com carinho. Mil beijos, Mari Siqueira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...